quinta-feira, 10 de junho de 2010

A importância da posição hidrodinâmica

Muito já foi falado a respeito da posição hidrodinâmica, mas afinal oque é isso?

http://sbrfitness.com/images/back%20streamline.jpg
Conhecida pelos americanos como "streamline position", a posição hidrodinâmica é sem dúvida uma posição de suma importância na natação e deve ser trabalhada desde o início da formação do nadador.
Utilizada em todas as saídas e após todas as viradas, tal posição deve ser encarada como um coadjuvante no aumento do rendimento do nadador, seja qual for a sua prova.
http://blogs.mutualofomaha.com/breakoutswimclinic/files/2007/04/josh-streamline2-copy.jpg
Para termos uma posição hidrodinâmica eficiente é necessário:
1. que o nadador tenha pleno conhecimento de seu corpo (propriocepção) para controlar todos os detalhes que envolvem tal posicionamento
2. um certo grau de flexibilidade e alongamento da escápula, musculatura do braço e ante-braço, tronco e coluna.

Descrição
A começar pelas mãos, elas devem estar sobrepostas de tal maneira que a mão de cima cubra totalmente a de baixo, sendo que ambas deverão estar com os dedos estendidos e unidos para que haja um ponto forte de união entre as mesmas é necessário que o polegar da mão superior abrace a mão inferior fixando-se no bordo da mesma.
http://cdn-www.expertvillage.com/showImage.aspx?site=21&fn=freestyle-swimming-streamline.jpg
O braço e o antebraço deverão estar estendidos de tal maneira que pressionem as têmporas e as orelhas do nadador, desta forma a cabeça do nadador deverá ficar entre o braço e o antebraço (membros superiores MS).
http://www.goswim.tv/system/uploads/Image/flybreakout.01.jpg
O nadador nesta posição deverá ter muito cuidado, pois o posicionamento da cabeça fora desta orientação poderá criar forças de elevação ou de afundamento dependendo de sua flexão ou extensão fora do padrão de execução que é de estar totalmente entre os MS no prolongamento do corpo.
Em seguida, temos a posição do tronco que deve ser bem estendida e principalmente com o quadril encaixado, isto quer dizer com diminuição máxima da curvatura lombar que pode fazer com que sejam criadas forças de atrito e afundamento prejudiciais ao deslocamento.
http://www.tyr.com/images/news/20080426.jpg
Em continuidade teremos agora o posicionamento das pernas, que para nós divide-se em: coxa, perna e pé ou seja membro inferior (MI), os mesmos devem estar unidos e estendidos de tal forma a causar o mínimo de resistência ao deslocamento.
Neste ponto, é importante que o nadador sinta que seus pés estão unidos por intermédio do toque de seus tornozelos ou, melhor dizendo, maléolos tibiais.
Os pés, neste contexto, devem se esforçar para ficar com extensão máxima em função do dorso dos pés normalmente causar atrito, ou melhor, arrasto de forma, pela sua própria morfologia.
Quando um nadador assume a posição hidrodinâmica ele tem que ter em mente a importância deste posicionamento e acima de tudo sentir que está fazendo com que seu corpo todo se alongue ao máximo, da ponta dos dedos dos pés à ponta dos dedos das mãos.
http://www.swimmingworldmagazine.com/technique/images/streamline1.jpg
A consciência da importância desta posição faz com que o nadador tente se esmerar cada vez mais em sua execução aumentando seu rendimento no nado.
Quanto à respiração no ato da execução da posição hidrodinâmica, tanto na saída, quanto após as viradas, a mesma deverá ser iniciada em apnéia inspiratória (pulmões cheios de ar com a respiração bloqueada) no momento da largada e ao entrar em contacto com a água.
Logo após, durante o deslize e as esperadas golfinhadas, o ar deverá ser exalado lentamente pelo nariz a fim de evitar que a água penetre por ele, causando uma sensação bastante desagradável é importante que o nadador treine o controle da soltura do ar para ter condições de equilibrar sua respiração durante toda a prova.
http://www.pullbuoy.co.uk/tumble0.jpg
Sendo um dos posicionamentos mais utilizados na natação, em função de ser utilizado em todos os quatro nados Olímpicos, o professor e o treinador de natação deverão trabalhar a posição hidrodinâmica desde a iniciação, aprimoramento e treinamento, não esquecendo que devido à importância deste fundamento, o mesmo tem que ser trabalhado em todas a aulas ou seções de treinamento pois não podemos esquecer que as saídas e viradas principalmente nas provas de 50 100 e 200 metros podem representar até 30% da prova, sendo que após a saída e após as viradas o nadador poderá percorrer 15 metros em nado subaquático.
Atualmente, procura-se explorar o máximo possível tal possibilidade, realizando-se um deslocamento submerso somente com trabalho de pernas tipo golfinhada, estando o restante do corpo do nadador ondulando em posição hidrodinâmica.
http://www.pullbuoy.co.uk/grab-5.jpg
Podemos dizer que as saídas para os nados estão se tornando quase um quinto nado existente
na natação, um exemplo prático é a prova dos 100m nado livre, onde a regra nos permite golfinharmos em posição hidrodinâmica 60% da mesma (incluindo saídas e viradas), logicamente numa piscina semi-olímpica (25m).
Sabendo disso, técnicos e professores precisam rever suas propostas e programas de treinamento.
Para que treinar 10 KM diários para uma prova que dura no máximo 55"(cinqüenta e cinco segundos) e que mais que a metade dela poderemos utilizar somente trabalho de perna do tipo golfinhada, lembrando que em uma prova de 200m nado livre, toda essa dinâmica citada a cima dobraria?
Poucos profissionais utilizam-se desse recurso para treinar seus atletas, pois muitas vezes essa carga de treinamento acaba saturando psicologicamente nossos velocistas.

Após as saídas nas provas de nado livre, Borboleta e Costas, um atleta de alto nível permanece em baixo dágua aproximadamente cinco a seis segundos, executando no máximo de oito a dez pernadas de golfinho (golfinhada).
Haljand,R.(1984) analisou vários atletas de alto nível, propiciando com suas análises melhorias significativas no estudo técnico dos nados, usando análises cinemáticas em baixo da água. Atualmente, um atleta nas provas de 100m, segundo Haljand,R.(2003), em piscina semi-olímpica(25m), realizam tempos que variam de 5,92 segundos a 6,28 segundos com velocidades entre 1,81 à 1,95m/s em deslocamento hidrodinâmico sub aquático.

Para Maglischo(1999), se não houver uma conscientização corpórea do atleta nos seguintes tópicos citados abaixo, dificilmente esse atleta realizará uma boa saída para os nados.
http://www.umpassarinhomecontou.com/wp-content/uploads/2009/11/foto-M%C3%A1rcia-Simas-nata%C3%A7%C3%A3o-2-560x420.jpg
Uma Boa Saída:
1. Evitar arrasto das pernas na água durante o vôo (não batendo as pernas e fazendo com que todo o corpo entre em um mesmo ponto dentro da água)

2. A parte superior do corpo deve permanecer alinhada durante essas pernadas, com a cabeça para baixo entre os braços estendidos

3. Num total de 6 a 8 pernadas, incluindo pernadas de adejamento (manter-se em equilíbrio), devem colocá-lo próximo à superfície

4. Devem começar sua primeira braçada ao se aproximarem da superfície (momento crítico de muita percepção), essa braçada deve ser para trás e para cima, com a cabeça ainda baixa durante a braçada submersa

5. Se possível, retardar a respiração até o final do primeiro ciclo de braçada.
http://raia-quatro-blog.zip.net/images/wall17.JPG
Tais detalhes são importantes e o técnico/professor deverá estar atento a todo o momento durante a sua programação para uma melhora significativa de seu atleta/aluno.

Pesquisas realizadas por Thayer & Hay (1984) mostram que nas provas de 200m em piscina curta, os atletas gastam espantosos 39% do seu tempo dando saídas e viradas e completando as braçadas submersas.
Também reuniram ao longo de vários anos alguns dados importantes com relação à melhoria da técnica das saídas e viradas, podendo as mesmas reduzir os tempos das provas em pelo menos 0,30 segundos.

Tanto o atleta como o técnico devem considerar as velocidades (ritmo e percepção) existentes desde o momento da entrada na água e deslize até o início das braçadas.

Principais recomendações:


01. Velocidade adquirida no salto até os primeiros trabalhos de perna

02. Velocidade iniciada no trabalho de perna até início da primeira braçada

03. Velocidade do início da primeira braçada até o término do primeiro ciclo de braçada (como dito anteriormente, se possível em apnéia respiratória).

O atleta terá que perceber quando iniciar um movimento para não sobrepor a outro, perdendo assim movimentos propulsivos até os primeiros 15m, os quais são importantíssimos em provas curtas no cenário da natação.

Segundo Makarenko(2001), esse deslize ocorrerá em uma profundidade aproximada de 50cm do nível da água.
Para Vilas Boas(1997), o mesmo deve ser realizado a profundidades superiores a 50 cm, em contra partida Lyttle et al.(1999) encontraram o valor de 40cm como o ideal em seus estudos. Já Haljand(2002a) acredita que o deslize deverá ser feito em profundidades de forma a se efetuar longas ações subaquáticas. Cossor & Mason(2001) e Mason & Pilcher(2002) não encontraram diferenças significativas em estudos sobre a profundidade a que deve ser realizado o deslize e inter relações entre o maior tempo despendido e a maior distância percorrida na fase sub-aquática.

Porém, não podemos esquecer que cada nado tem a sua especificidade, havendo variações nas profundidades de deslocamento, tanto em função da prova como também na estratégia e resistência do atleta na competição.

Sabendo que esta posição hidrodinâmica, bem como golfinhadas após saídas e viradas, são um dos movimentos mais rápidos existentes no meio líquido, cabe aos técnicos/professores treinarem esses fundamentos logo no início dos programas de aprendizagem, ou incluírem em seus atuais programas de treinamento uma demanda de tempo maior para essas potencialidades, uma vez que as mesmas interferem diretamente no resultado de seus alunos ou futuros atletas.
http://www.frazierproductions.com/copyrightedimages/ric-frazier-swim-002799.jpg

Fontes Bibliográficas:

1. Maglischo, Ernest W. Nadando Ainda Mais Rápido”. 1999
2. Laughlin, Terry. “ Six Steps To a better Breaststroke Kick “. Total Immerson. 2001
3. Laughlin, Terry. “ Breaststroke Breakthrough “. Fitness Swimmer.1999
4. Salo, David. “ Teaching Breaststroke”. 1998
5. McCauley, Wayne. “ The Modern Breaststroke “. 1999

6.Prof. Dr. Antonio Carlos Mansoldo -Doutorado em Educação - Universidade de São Paulo, USP

7.Prof. Caio Graco Simoni da Silva -Integrante do Laboratório de Comportamento Motor (LACOM) - USP

8.THAYER, A.; HAY, J. (1984). Motivating Start and Turn Improvement.

Um comentário:

Anônimo disse...

hum...aprendi agora alguma coisa