boo-box

segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

Brasil vence o revezamento e fecha Mundial histórico na liderança


Cesar cai na água em quarto, tira vantagem em cima de campeão olímpico e dá o sétimo ouro ao Brasil, que termina na ponta do quadro de medalhas em Doha

                                                   
Antes da disputa do revezamento 4x100m medley do Mundial de Natação em piscina curta, em Doha, Cesar Cielo havia dito que o Brasil brigaria para levar o bronze. Mal sabia que ele mesmo apagaria sua previsão. Com uma atuação antológica, ele caiu na água na quarta posição, atrás de Estados Unidos, França e Grã-Bretanha, e conseguiu levar o Brasil à medalha de ouro. Cielo mergulhou 0s85 atrás de Ryan Lochte, que fechava a prova para o time americano. Nos metros finais, após deixar para trás o francês Clement Mignon e o britânico Benjamin Proud, o brasileiro superou também o astro americano para coroar uma participação memorável da natação brasileira: o sétimo ouro, a décima medalha do país, líder geral do quadro de medalhas da competição no Catar.
- Não vou dizer que a gente esperava ganhar a competição. Isso é inédito para o Brasil, é uma surpresa muito grande. O (Felipe) França, com cinco medalhas de ouro, deve ser uma das maiores vitórias de um brasileiro. Estou muito contente com os meus 100m livre. Posso comparar com o Mundial de Barcelona, com as Olimpíadas de Pequim. Nadar com eles é uma alegria a mais. Temos um grande time - disse Cielo  após o revezamento.



Para o maior nadador brasileiro de todos os tempos, a conquista em grupo teve sabor especial:
- O pessoal fez um trabalho excepcional. De todas as medalhas que já ganhei, dividir com os amigos é muito bacana. A gente trabalha muito para chegar aqui. Foi um efeito bola de neve. Entrou Etiene, o França e o revezamento agora. Foi superbacana. Espero que a gente continue nesta pegada.
Com sete ouros, uma prata e dois bronzes, o Brasil pulou para a ponta do quadro de medalhas no último dia de provas em Doha, com dez no total. A Hungria ficou em segundo, com seis ouros, três pratas e dois bronzes (11 no total); e a Holanda acabou em terceiro, com cinco ouros, uma prata e seis bronzes (12 no total) - o número de ouros é o critério predominante na classificação.


 
Foi um domingo perfeito para a natação brasileira. Cesar Cielo abriu os trabalhos superando Florent Manaudou nos 100m livre e conquistando o bicampeonato mundial da prova.
 Em seguida, Etiene Medeiros brilhou nos 50m costas, quebrou o recorde mundial e trouxe para o Brasil a primeira medalha individual feminina na história dos mundiais.
Com três ouros já garantidos, Felipe França resolveu encher ainda mais a bagagem, vencendo os 50m peito. E ele não pararia por aí...
Por fim, com Cielo, França, Guilherme Guido e Marcos Macedo, a emocionante vitória no revezamento 4x100m medley para fechar com chave de ouro a melhor participação do país em mundiais.
- Do ano passado para cá, eu perdi 20kg. Foi um peso que tirei das minhas costas (risos). Tenho que agradecer a muitas pessoas. Estamos caminhando juntos rumo ao Mundial de Kazan. Subi mais um degrau para 2016 - disse Felipe França após faturar sua quinta medalha de ouro em Doha.
Com o Rio 2016 no horizonte - e uma distante escala em Kazan para o Mundial de piscina longa no ano que vem - a natação brasileira fecha um 2014 animador, contando também com os títulos de Ana Marcela Cunha e Allan do Carmo no Circuito Mundial de maratonas aquáticas.
A prova
Guilherme Guido abriu os 100m costas e entregou para Felipe França na terceira posição, atrás de EUA e Austrália. O nadador de peito manteve a posição, mas agora com EUA em segundo e Grã-Bretanha na frente. Era a vez de Marcos Macedo, que começou bem no borboleta, mas cansou no fim e deixou o Brasil em quarto (2m36s47), a 85 centésimos dos EUA, líderes da disputa (2m35s62). E ainda havia França e Grã-Bretanha a alcançar.
Cielo foi para água na raia 1, ao lado do americano Ryan Lochte, maior medalhista da história da competição e que já subiu ao pódio 11 vezes em Olimpíadas. Aos poucos, o brasileiro tirou a vantagem dos demais e, nos últimos cinquenta metros, já aparecia em segundo, 0s50 atrás da equipe americana.
Neste momento, o complexo veio abaixo. Com gritos de brasileiros vindos de todas as partes, Cielo forçou o ritmo e, na batida de mão, garantiu o sétimo ouro do Brasil na competição, terceiro dele. O tempo final foi de 3m21s14, contra 3m21s49 dos americanos e 3m22s26 dos franceses. Quem fechou a prova foi Manaudou, o mesmo que havia vencido Cielo nos 50 e perdido nos 100m.
O troco de Cielo
Maior nadador da história do Brasil, Cesar Cielo estava mordido depois do bronze nos 50m livre. Contra o mesmo rival, Florent Manaudou, o brasileiro conseguiu a medalha de ouro nos 100m livre, com direito a virada nos últimos metros. A vitória veio com o tempo de 45s75, apenas seis centésimos a frente do rival. Foi o décimo título mundial da carreira de Cielo, o terceiro na prova dos 100m livre e o segundo em piscina curta.
A primeira vez


Etiene Medeiros se tornou a primeira brasileira a conquistar uma medalha em provas individuais na história do Campeonato Mundial de natação. E não foi qualquer medalha. Etiene venceu os 50m costas, com recorde mundial, batendo à frente da nadadora mais completa da competição, a húngara Katinka Hosszú, que ficou com o bronze.


 O tempo de Etiene foi de 25s67, deixando a australiana Emily Seehbolm em segundo (25s83) e Katinka em terceiro.
Felipe soberano

Antes de completar a quina no revezamento 4x100m medley, Felipe França conquistou sua quarta medalha de ouro no Mundial. Na sua prova mais forte, em que já tinha sido campeão do mundo outras duas vezes (2010 na curta e 2011 na longa), ele venceu com a marca de 25s67, 0s24 à frente dos seus dois maiores rivais, o britânico Adam Peaty e o sul-africano Cameron Van der Burgh, que empataram em segundo.
A forma como título veio foi incontestável. Nos primeiros quinze metros, já era nítida a vitória do brasileiro. No fim, Felipe bateu em primeiro com tranquilidade.
Mais quatro recordes mundiais
O número de recordes mundiais em Doha chegou a 23. Neste domingo, cinco marcas foram baixadas, uma delas com Etiene Medeiros nos 50m costas. A Holanda fez o melhor tempo da história no revezamento 4x50m livre feminino, com 1m33s24.
Nos 100m medley, o alemão Markus Deibles bateu o recorde com 50s66, Mas o dia foi da sueca Sarah Sjostrom, que se tornou recordista do planeta em duas provas: 100m borboleta (54s61) e 200m livre (1m50s78).
Henrique em sexto; Daiene em oitavo
O Brasil ainda disputou duas finais no último dia de provas. Nos 100m medley, prova em que o alemão Markus Deibles quebrou o recorde mundial, Henrique Rodrigues foi o sexto colocado com a marca de 51s33.
Nos 100m borboleta, Daiene Dias foi a oitava colocada com 57s26. O ouro, com recorde mundial, foi para a sueca Sarah Sjostrom (54s61), a prata da chinesa Ying Lu (55s25) e o bronze foi para a dinamarquesa Jeanette Ottesen.


Por

Cielo dá o troco em Manaudou e vence os 100m livre em Doha

O brasileiro César Cielo conquistou a medalha de ouro neste domingo nos 100 metros nado livre (45.75) no Mundial de Piscina Curta em Doha, à frente do francês Florent Manaudou (45.81) e do russo Danila Izotov (46.09).

"Estou muito animado, eu não esperava, para ser honesto", disse Cielo após a prova.

"Brasil e França compartilham uma longa história: Ayrton Senna e Alain Prost, eu e Frederick Bousquet, eu e Alain Bernard e Manaudou. Agora eu espero que tudo continue assim até os Jogos", acrescentou o brasileiro.

Cesão deu o troco em Manaudou, que o derrotou na sexta-feira na prova dos 50 m livre, como nos Jogos Olímpicos de Londres-2012.

Cielo soma cinco medalhas neste mundial: além desse ouro nos 100 m livre, ganhou outros dois, no revezamento 4x50 m livre e 4x100 m masculino, além de dois bronzes, nos 50 m livre individual e no revezamento 4x 50 livre misto.

quinta-feira, 4 de dezembro de 2014

Mundial de Natação começa com quebra de recorde sul-americano em Doha

A Seleção Brasileira teve um bom desempenho no primeiro dia do Campeonato Mundial de Natação em piscina curta, em Doha, no Catar.
Um dos destaques do País foi Etiene Medeiros.

 A nadadora brasileira quebrou duas vezes o recorde sul-americano dos 100 m costas e se classificou para a final da prova.
Nas eliminatórias, Etiene completou a prova em 57s36, superando sua própria marca de 57s53.
Mais tarde, ela voltou à piscina para disputar a semifinal dos 100 m costas.
Com 57s13, Etiene baixou ainda mais a marca e avançou para a final com o sétimo melhor tempo.

Além de Etiene, o Brasil classificou outros três nadadores para finais e participou da decisão no 4x100 m livre.
Sem Cesar Cielo, que só nadou nas eliminatórias, os brasileiros Henrique Martins, João de Lucca, Alan Vitória e Gustavo Godoy ficaram com a 8ª posição na final, com o tempo de 3min08s31.
O ouro foi para a França, com 3min03s78.
O dia ainda teve Felipe França, Marcos Macedo e Guilherme Guido se classificando entre os oito melhores em suas provas.

Felipe cravou 57s21 nos 100 m peito e disputa a final com o sexto melhor tempo. Marcos Macedo foi o quarto mais rápido nas semifinais dos 100 m borboleta, com 50s03. Já Guilherme Guido teve a segunda melhor marca nos 100 m costas, com 50s12.
Etiene, Felipe, Marcos e Guilherme disputam as finais de suas provas no dia 04/12/14.

 Os quatro atletas são contemplados pelo programa Bolsa Atleta. 
Felipe França na categoria olímpica e os outros três na categoria nacional.
Fonte:
Brasil 2016

terça-feira, 16 de setembro de 2014

Brasil vence o Desafio Raia Rápida com direito a recorde no 4x50m medley

Foto: Satiro Sodré / SSPressCom uma equipe formada por Matheus Santana, Nicholas Santos, Felipe França e Guilherme Guido, o Brasil conquistou neste domingo, pela primeira vez, o Desafio Raia Rápido, disputado no Mourisco, na piscina do Botafogo, no Rio de Janeiro.
 Os Estados Unidos terminaram em segundo, a África do Sul, em terceiro, e a Austrália, campeã do ano passado, em quarto.

Nas disputas individuais, os grandes destaques foram os brasileiros Felipe França e Nicholas Santos, o sul-africano Gehard Zandberg e o americano Anthony Ervin.

 No revezamento 4x50m medley, a equipe brasileira travou uma disputa emocionante até os últimos metros, vencendo os Estados Unidos por sete centésimos e estabelecendo o melhor tempo do mundo na prova (1m37s68). 
O país campeão da competição foi definido a partir do somatório de pontos das categorias individuais e do revezamento.

O dia começou com as provas individuais.
 Os atletas disputaram baterias eliminatórias, de 50m em cada um dos quatro estilos (costas, peito, borboleta e livre).

 Os últimos colocados foram eliminados da etapa seguinte, até que restaram apenas dois nadadores de cada modalidade.

A prova de nado costas abriu o Desafio. 
O sul-africano Gehard Zandberg venceu a bateria final contra o brasileiro Guilherme Guido. 

O americano David Plummer foi eliminado na segunda bateria e o australiano Daniel Arnamnart foi o primeiro eliminado.

No nado peito, destaques para o brasileiro Felipe França e o sul-africano recordista mundial Cameron van der Burgh, rivais de longa data, que travaram uma bela batalha na bateria final, com vitória do brasileiro.
 O americano Mike Alexandrov foi eliminado na segunda bateria e o australiano James Stacey na primeira.

O brasileiro Nicholas Santos foi o grande vencedor do estilo borboleta, batendo o americano Eugene Godsoe na final e levando o público ao delírio.

 O australiano Jayden Hadler foi eliminado na segunda bateria, conquistando o único ponto da sua equipe, e o sul-africano Giulio Zorzi na primeira.

No mais rápido dos estilos, o livre, a final foi entre dois campeões olímpicos: os experientes Anthony Ervin, dos Estados Unidos, e Roland Schoeman, da África do Sul. 

A final foi eletrizante, com vitória do americano. 

O brasileiro Matheus Santana, grande revelação da natação mundial no ano, foi eliminado na segunda bateria e Kurt Herzog, da Austrália, foi o primeiro eliminado.



Um dia a gente chega lá...

terça-feira, 1 de julho de 2014

Natação da Rússia pode ser suspensa por sucessivos escândalos de doping


Ministro de esportes russo, Mutko diz que o número de testes positivos "chegou ao limite". No mês passado, campeã mundial Yuliya Efimova foi suspensa por 16 meses

Palco do próximo Mundial de Desportos Aquáticos, que será disputado no ano que vem, em Kazan, a Rússia corre o risco de ser suspensa de competições internacionais por conta de uma série de casos de doping. A informação foi divulgada pelo ministro dos esportes russo, Vitaly Mutko, na última segunda-feira. No mês passado, a recordista mundial Yuliya Efimova foi suspensa por 16 meses após testar positivo para um esteroide proibido, DHEA. Em 2013, pelo menos cinco atletas falharam nos testes, manchando a imagem do esporte do país. 
- O número de violações das regras antidoping chegou ao limite. Se houver mais uma ou duas violações, a Federação poderá ser suspensa por completo - disse Mutko à imprensa russa. 
yuliya efimova mundial de natação  (Foto: agência Getty Images)Suspensa por doping, campeã mundial Yuliya Efimova poderá voltar a competir em 2015 (Foto: agência Getty Images)
O ministro revelou ainda que a Federação Russa de Natação é apenas um dos "diversos" órgãos desportivos do do país que correm o risco de suspensão por escândalos de doping. Ele não revelou, no entanto, o nome dos outros. 
De acordo com as regras da Federação Internacional de Natação (FINA), uma entidade membro de um país pode ser suspensa por dois anos se quatro atletas da mesma disciplina testarem positivo em um intervalo de até 12 meses, salvo algumas exceções. Cornel Marculescu, diretor executivo da FINA, contou à agência de notícias "Associated Press" que a Rússia não está nessa categoria.
- Não vamos comentar essa possibilidade - limitou-se Marculescu, acrescentando que a FINA está "extremamente confiante" da capacidade do país em receber o Mundial. 
O diretor se mostrou satisfeito com as instalações russas e agradeceu ao apoio das autoridades locais e destacou que a competição tem tudo para ser um sucesso. O Mundial irá aproveitar alguns dos espaços usados para a disputa da Universíade, no ano passado, incluindo a Arena Kazan, que também irá sediar a Copa do Mundo de 2018. 
Uma das principais esperanças de medalhas do país nas piscinas, Efimova poderá voltar a competir em 28 de fevereiro de 2015. A nadadora foi um dos destaques do Mundial de Barcelona, no ano passado, onde sagrou-se campeã dos 50m livre e 200m peito. Em novembro, em uma competição de piscina curta em Tóquio, ela quebrou o recorde de 50m peito. A russa também chamou a atenção por ter disputado os Jogos Olímpicos de Pequim, em 2008, com apenas 16 anos. Na ocasião, ficou em quarto lugar nos 100 peito. 

segunda-feira, 30 de junho de 2014

Revelação americana da natação bate marca de Phelps e se inspira em Cielo

Aos 15 anos e com 1,95m, Michael Andrew já derrubou 75 recordes em sua carreira, além de outros feitos. 

Meta é disputar as Olimpíadas do Rio, em 2016

Enquanto Michael Phelps vive seu retorno às piscinas, os Estados Unidos acompanham o surgimento de uma nova promessa da natação.
 Aos 15 anos e com 1,95m, Michael Andrew já coleciona recordes e conquistas em sua curta carreira. 
Até aqui, ele já quebrou 75 marcas nacionais, sendo uma do maior campeão olímpico da história, nos 200m medley junior, no ano passado.
 Agora, a meta é participar das Olimpíadas do Rio, em 2016, quando ele terá 17 anos.
- O objetivo a curto prazo seria a Rio 2016, claro. 
Quando ouço falar do Rio, penso que tenho uma chance de estar lá e em como seria incrível. Seria realizar um sonho mesmo - disse a revelação ao SporTV.
Enquanto derruba as marcas de Phelps, Michael se inspira em Cesar Cielo, especialista em suas provas preferidas, de curta distância. 
Durante uma competição nos Estados Unidos, o jovem teve a oportunidade de encontrar o tricampeão mundial dos 50m livre e aproveitou para tirar uma foto.
- Fui falar com ele, é um amor, um cara muito bacana. Nós vemos ele batendo no peito, aquilo intimida, é assustador, mas fora disso ele é uma pessoa maravilhosa - afirmou o jovem sobre o já conhecido ritual de Cielo.
Cielo e Andrew (Foto: Reprodução / SporTV)Andrew posa ao lado do ídolo Cesar Cielo durante competição (Foto: Reprodução / SporTV)
O bom desempenho é seguido de perto por Phelps, que prevê um futuro de sucesso para o novo fenômeno. Para isso, precisa se adaptar aos torneios em piscina curta e longa.
- O garoto é um nadador talentoso, ele quebrou um monte de recordes, incontáveis recordes. O garoto é demais, é grande. Ele é do meu tamanho, só que maior. E ter altura é muito importante para um nadador. Só depende de como será a transição de piscina curta para longa - avaliou o recordista de medalhas olímpicas.
As vitórias também fizeram com que Michael, que não defende clubes ou escolas, alcançasse feitos fora dela. 
Aos 14 anos, ele se tornou o mais jovem americano da história da natação a se profissionalizar, o que significa ter um patrocinador. Por conta dos compromissos com as competições, Michael estuda à distância.

quarta-feira, 11 de junho de 2014

Vitória a todo custo...

Campeã mundial de natação e recordista, russa é suspensa por doping

A russa Yuliya Efimova, campeã mundial de natação em 2013, nos 50m e nos 200m, foi suspensa por 16 meses pela Fina (Federação Internacional de Natação). 
Ela teve doping confirmado. 
Yuliya testou positivo para DHEA, um hormônio esteróide. 
O teste foi realizado em outubro de 2013, durante competição de natação em Los Angeles (Estados Unidos). 
Apesar da punição ter sido confirmada apenas agora, a russa cumpre suspensão prévia desde janeiro de 2014.
Os 16 meses de suspensão impostos pela Fina valem a partir do teste antidoping, ou seja, outubro de 2013. Sendo assim, a russa poderá voltar às piscinas a partir de fevereiro de 2015. 
Yuliya Efimova foi destaque em 2013 durante o Mundial de Natação de Barcelona. Na ocasião, ela foi campeão dos 50m e dos 200m peito. 
Em novembro, em competição em Tóquio, ela bateu recorde mundial dos 50m peito, piscina curta. 
A russa também  virou destaque no mundo por ter participado das Olimpíadas de Pequim, em 2008, com 16 anos, quando ficou em quatro lugar nos 100m peito

Para não perder o sabor da vitória muitos nadadores se arriscam além do necessário...