boo-box

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

Estudo mostra que a natação facilita respiração de crianças com asma

Se o seu filho ainda não pratica natação, a chegada dos dias mais quentes é um ótimo momento para ele aprender a nadar.
 Além de contribuir para o desenvolvimento físico, psicológico e social da criança, um estudo realizado pela Universidade Médica de Taipei, em Taiwan, comprovou também que a natação atua no aumento do volume dos pulmões e, consequentemente, no desenvolvimento de uma respiração mais profunda - e proveitosa para o organismo -, que pode evitar  crises  nos pequenos que sofrem com o problema.


Para Eliane Alfani, pneumologista do Hospital São Luiz (SP), crianças que fazem natação sofrem menos quando têm crises de asma.
 "A natação ativa a circulação, aumenta a estrutura muscular e facilita o trabalho mecânico do pulmão”, diz. Ou seja, a criança passa a respirar menos pela boca e mais tranquilamente, reduzindo os chiados.
Mas isso não significa que a natação é a única atividade física que vai trazer benefícios ao seu filho.
O melhor esporte para a criança é aquele de que ela mais gosta e que se sente melhor quando pratica.


De olho na água da piscina


Ao escolher o local em que seu filho vai fazer natação, é preciso que você fique atenta à qualidade da água da piscina.
Um estudo publicado na revista Pediatrics sugere que a exposição a piscinas com cloro pode levar ao desenvolvimento de asma e outras alergias ou à piora de quadros preexistentes.
Tirar a criança da natação não é a melhor solução.
O ideal, ainda segundo a pesquisa, é limitar o tempo de exposição da criança à piscina e certificar-se de que a escola utiliza o mínimo de cloro possível na água.

Piscinas ao ar livre - ou aquelas fechadas com pé direito alto - reduzem os riscos de desenvolvimento de crise durante a atividade.
“O problema é quando o cloro que evapora da água não se dissipa rapidamente e é respirado pela criança, como acontece em piscinas fechadas com pé direito baixo”, diz Eliane.
Outra opção são aquelas em que o tratamento da água é à base de sal e ozônio.
Nessas, os níveis de cloro são bem mais baixos, reduzindo os riscos de problemas à saúde do seu filho.

Na hora de pesquisar onde seu filho vai nadar, converse com a direção e um professor sobre esses detalhes. Segundo a pneumologista, se mesmo com essas orientações a criança manifestar sensibilidade ao cloro, o ideal é buscar orientação médica e oferecer outras alternativas de exercícios além da natação, como vôlei, tênis, ginástica olímpica, entre outros.

2 comentários:

Mais Pernambuco disse...

Olá, eu sou o editor do blog Mais Pernambuco, estou seguindo o seu blog agora. Eu tenho 17 anos e eu vou começar a praticar natação, eu gostaria de saber se não é muito tarde para começar. Por favor me responda, pelo e-mail: maispernambuco@bol.com.br ou comentando no meu blog. Desde já obrigado.

Produtos Flamengo disse...

Que lindo e bacana ver crianças poder desfrutar de esportes como estes.